1° capítulo, o começo de tudo.

Não sei ao certo o que aconteceu, mas só me lembro dos gritos, e do choro de uma mulher.

Vou lhes contar desde o começo.

Bom meu nome é Anny tenho 27 anos ,  nasci e cresci em uma cidade pequena nos EUA , e assim que terminei minha faculdade de Advocacia me  mudei para  Nova York . Comecei aos poucos, nada tinha de valor. Apenas uma mala, uma foto de meus pais e minha irmã mais nova, e muita vontade de seguir em frente e realizar aquilo que almejava.

Assim que cheguei na cidade, tudo novo, não conhecia quase ninguém.. apenas uma amiga de faculdade : Cristine, que alegremente me recebeu em sua casa.

Cristine era um pouco reservada, não falava muito sobre como conseguiu aquele apartamento, era uma mulher com seus 25 anos de idade, alta, morena olhos negros. Era incrivelmente radiante. Nós estudamos juntas na faculdade. Assim que cheguei em minha nova casa, tratei de arrumar um emprego, mesmo que fosse de estagiária em alguma empresa, qualquer coisa que pudesse valorizar os 5 anos que dediquei de minha vida. Depois de várias procuras, uma empresa que vendia carros de segunda mão estava procurando uma ajudante para, escritórios, papéis, procurações e etc. Corri atrás e ganhei um período de experiência. Cristine já trabalhava então ficaria mais fácil arcar com as despesas, de água, luz, telefone , gás, etc. Eu achei que, eu trabalharia muito e não teria tempo nenhum pra mais nada, mas me enganei. Só assina uns papéis, ficava no escritório, e quase nunca saia para ir aos bancos , agências e etc.

No meu primeiro dia de trabalho, foi tudo novo pra mim, tinha uma sala com duas mesas , uma minha e a outra do meu chefe, o jovem com cara de turrão Sr. Pitter. Ele era estranho, parecia que sempre estava escondendo alguma coisa. Nunca sorria, e em quase todo o tempo em que trabalhei com ele, raramente ouvia a voz dele. Era só “ bom dia “ – assim que chegava na empresa – e “ boa noite “ – assim que ia embora pra casa- ele era um jovem inteligente e muito conhecido por várias outras empresas da região, exigia muito de seus funcionários, e um deslize com ele você estaria fora.

Mas eu gostava dele, ele não era o tipo de chefe que perdoava qualquer falha, mas procurava entender, e sabia escutar o que as outras pessoas tinham pra dizer.

Eu me lembro um dia que eu estava pronta pra ir trabalhar, voltando do horário de almoço, que Cristine me ligou e disse que havia passado mal, que estava no pronto socorro e que precisava de ajuda. Eu sai desesperada e fui até o local, e segundo os médicos havia sido apenas um desmaio por motivos de estresse por causa do trabalho, etc.

Depois de deixar ela em casa, voltei correndo para a empresa, Sr. Pitter parecia nervoso e antes que ele começasse a falar dei um jeito de me explicar.

- Sr. Pitter, me desculpe pelo atraso, prometo que não acontecerá novamente. – disse a ele nervosa e com medo de sua reação.

- Você poderia ao menos me explicar o motivo de seu atraso ? – disse ele sentado na cadeira olhando uns papéis , me causando mais medo ainda .

- É que minha amiga, com quem moro, passou mal e eu tive que ir socorre-la no hospital. Me desculpe novamente, se quiser me demitir, eu entendo.

- E quem disse que quero te demitir ? – disse ele com uma cara de espanto – Você é uma excelente funcionária, mas só te peço que não se atrase de novo, precisei de você aqui e você não se encontrava.

- Sim, perfeitamente senhor.

- E não precisa me chamar de senhor, não sou tão velho assim !

Eu até me espantei com essa atitude, pela fama que ele tinha, isso seria um bom sinal.

Mas enfim, minha vida havia mudado muito desde que sai de minha cidade. Sentia muitas saudades de meus pais, minha irmã Samy, e sempre que podia , e que sobrava algum dinheiro eu mandava pra eles. Sempre me ligavam, mas minha mãe não falava muito, só de ouvir minha voz ela chorava e não conseguia dizer nenhuma palavra sequer. Eu tinha vontade de ir visita-los , mas era sempre muito difícil com tanta coisa pra se fazer nessa cidade. Eu precisava me situar primeiro pra depois eu poder me sentir livre pra voltar e matar as saudades.

Em NY tinha muitas coisas pra se fazer quando se estava de folga, Cris e eu sempre íamos as lanchonetes, aos parques e à noite ficávamos mais em casa mesmo.

Já fazia mais de 6 meses que eu havia me mudado, já estava me acostumando com a cidade nova, e era aniversário de Cris. Como nem eu e nem ela tínhamos família por perto, resolvemos nós mesmo comemorar. Saímos e fomos em um restaurante no centro da cidade. O restaurante não era chique, nem muito sofisticado. Era simples , mas muito aconchegante. E, Cris estava feliz isso que importava. Entramos no restaurante e escolhemos logo uma mesa, do lado do balcão de bebidas. Cris se sentou de costas para a porta de entrada e eu logo em sua frente, de onde eu estava sentada dava pra ver bem direito quem entrava e saia do restaurante. O garçom veio até nossa mesa, mas ainda não havíamos escolhido nosso pedido. Pedimos apenas um refrigerante e depois nos escolheríamos o que comer. Enquanto olhávamos o cardápio, me surpreendo com quem vejo entrar no restaurante. Sr Pitter. Sacudo Cris e comento com ela:

- Cris esse é meu Chefe de escritório. !

- Quem ? Esse de casaco preto que acaba de entrar acompanhado ?

- É ! Ele mesmo !

- Mas você não havia me dito que ele era tão bonito assim !

- Cris ele é meu chefe, não posso repara isso ! É falta de respeito !

- Mas ele não é meu chefe, então eu posso falar ! E como ele é bonito !

- Mas, quem é essa acompanhada com ele ? – comentei curiosa-

- Ah, quem é eu não sei, mas que ela tem sorte isso tem ! – comentou Cris, com o olhar fixo na mesa dele.

- Chega Cris, vamos escolher logo o que comer e dá o fora daqui, ok ?

- Ta bom !

E assim foi nossa noite, jantamos , e logo depois fomos embora, saímos do restaurante antes do Sr. Pitter. Chegamos em casa, ligamos a TV e fomos ver um filme até pegar no sono.

Logo de manhã me arrumei para o trabalho, e começou assim mais um dia como tantos outros. Dessa vez cheguei pontualmente, fui direto para o escrtiório rapidamente pra que eu pudesse esconder minhas olheiras, devido eu ter estado acordada até tarde.

Entrei na sala e Sr Pitter já estava lá, logo que entrei  me sentei e liguei o computador.

 - Bom Dia, Anny ! – disse Pitter, educadamente.

 - Bom Dia Sr. Pitter . – disse em voz baixa,.

- Eu te vi ontem a noite no restaurante do centro.

- Eu também o vi.

- Aquela com quem estava é sua amiga ? Aquela com quem mora ?

- Sim. Ela é Cristine minha amiga ! Mas porque perguntou ?

- Nada, apenas curiosidade.

- E, aquela com quem estava ? É sua namorada ?

- Não, apenas uma amiga.

- Me desculpe ter perguntado, isso não é do meu interesse !

- Não precisa se desculpar, já passou.

Posted on 31 July, 2011, 10:11am.